Gravando conversas telefônicas

Quando a linha telefônica se encontra desocupada (fone no gancho)entre suas extremidades aparece uma tensão de 48 V ( na verdade, este valor pode variar bastante em função do local, pois o próprio cabo, se muito longe, apresenta uma atenuação, daí haver a necessidade de um ajuste no circuito).
Quando o fone é retirado do gancho, a tensão cai para um valor bem menor na faixa de 7 a 12 V, que serve para energizar a cápsula emissora e receptora.
Está diferença de tensão é aproveitado no nosso circuito.
O diagrama completo do sistema automático de gravação telefônica é mostrado na figura 79.


Assim, ajustando o trim-pot P1, polarizamos o transistor Q1 de tal forma que ele se mantenha no corte quando a tensão estiver acima de 20V aproximadamente ( o ponto exato depende da linha e vai ser ajustado no trim-pot ).
Com isso, o relé usado como carga para este transistor se mantém desativado e o gravador se mantém na condição de espera, com a alimentação desligada.

O gravador tem sua entrada de microfone ligado a linha pelo mesmo cabo que conecta o circuito de disparo, e deve ser colocado na condição de gravação ( REC-PLAY apertadas).
Quando o fone é retirado do gancho, a tensão no circuito cai e o transistor sai do corte, passando a ter sua base polarizada somente pelo trim-pot e pelo resistor em série com este componente. O transistor entrada em condução e com isso os contactos do relé são fechados.
O fechamento do contactos do relé ativa o relé ativa o gravador, que recebendo alimentação passa a gravar os sinais que são captados pela entrada do microfone.
Tão logo o fone seja recolocado no gancho, a tensão na linha volta a subir e com isso o relé abre seus contactos, pois o transistor também volta ao corte. O circuito fica então pronto para gravar nova conversa quando o telefone dor usado novamente.

A utilização da bateria própria para circuito é importante para não “carregar” a linha, poderíamos usar própria tensão da linha para fazer o acionamento do relé. No entanto, aproveitando está tensão, ela sofre uma queda que se reflete na qualidade ou volume do som no aparelho, o que pode causar desconfiança em que estiver sendo vigiado. Na verdade, um primeiro “sintoma” de que um telefone está grampeado ou que tem alguém usando uma extensão é justamente a queda do volume, causa pela queda de tensão, pois o segundo aparelho, ou a ligação de uma carga na linha causa o problema.
Para maior autonomia, será interessante usar pilhas médias ou grandes, já que o relé, que se mantém fechado durante a gravação, exige uma corrente da ordem de 50 mA.
Evidentemente, se o leitor conseguir um reed-relé de 6V de menor consumo poderá usá-lo mudando apenas o tamanho das pilhas, que podem ser pequenas, implicando assim numa montagem mais compacta.
Montagem

A montagem, com base numa placa de circuito impresso, e com lay-out para o relé original, é mostrado na figura 80

Todos os componentes cabem numa pequena caixa plástica que pode ser transportada facilmente, juntamente com gravador cassete.
Para conexão à linha telefônica pode ser usada um par de fios em garras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>