» » O que é polarização por fuga de grade

O que é polarização por fuga de grade

O tipo de polarização indicado na Figura 1 é chamado polarização por fuga de grade.
E obtida de parte do sinal de entrada e, portanto, é também chamada polarização por sinal. Iremos discutir esta polarização com relação às duas alternâncias do sinal de entrada.

FIgura 1

Na Figura 1a o sinal de entrada está na alternância positiva. isto coloca uma tensão positiva no lado esquerdo do capacitor de acoplamento C. Uma vez que caras opostas se atraem, os elétrons negativos na válvula irão fluir do catodo para a grade (corrente de grade) para o capacitor, conforme indicado pela seta. Estes elétrons acumulam-se no lado direito do capacitor de acoplamento C, carregando o lado negativo, conforme indicado.

Na Figura 1b o sinal de entrada está se tornando negativo. Neste instante, nenhuma corrente pode fluir do catodo para a grade ou da grade para qualquer outro elemento. Portanto, o fluxo de elétrons através do resistor de grade está na direção descendente, conforme indicado pela seta. A tensão sobre o resistor RG é negativa no lado da grade. Isto torna a grade negativa, com relação ao catodo, conforme necessário, para a operação adequada da válvula.

Vamos voltar um instante para a Figura 1a. Você deve entender que a corrente de grade (catodo para a grade) não flui durante toda a alternância positiva do sinal de entrada. Uma vez carregado o capacitor C, é necessário que a corrente de grade flua durante um curto espaço de tempo em cada alternância positiva para carregar C.

A Figura 2 mostra uma séria desvantagem da polarização por fuga de grade. Lembre-se de que a tensão de polarização depende do sinal de entrada. Se o sinal de entrada for perdido por alguma razão (devido a algum problema no estágio anterior), não haverá nenhuma polarização na válvula. Se você operar muitos tipos de recebido pela antena ser muito fraco. Um valor típico de amplitude de sinal seria 50 microvolts (V)  isto é, 50 milionésimos de um volt. Um sinal tão fraco não pode ser usado para operar um alto-falante.

Figura 2

Um outro problema desagradável com a recepção de rádio é que estações diferentes podem ser recebidas com intensidades de sinal radicalmente diferentes. Isto tornaria necessário reajustar freqüentemente o controle de volume. Além disso, como no caso do rádio de automóvel, o volume de qualquer estação pode variar em diversas localizações. Também pode ocorrer uma condição de “fading” (diminuição repentina do volume do som), causando mudanças periódicas no volume do som.

Para ajudar a eliminar o problema de graus variàseis de ‘volume, um circuito de controle automático de solume é usado nos aparelhos de rádio (e de televisão). Refira-se mais urna vez à Figura 3. Parte do sinal de saída do último amplificador de sinal é retificada e filtrada da mesma forma corno você retifica e filtra a tensão alternada da linha de distribuiçào de energia para obter uma tensão contínua. A tensão contínua neste caso é chamada tensão de controle automático de volume e é negati a. A tensão de controle automático de volume é fornecida para a grade do primeiro amplificador de sinal e é usada para controlar o ganho deste amplificador. Quanto mais negativa for a tensão da grade, menor será o ganho. Inversamente, quanto menos negativa for a tensão da grade, maior será o ganho.

A tensào de controle automático de solume é sempre tal que, quando o sinal é fraco, a tensão negatisa de controle automático de volume é baixa, de modo que o ganho do primeiro amplificador de sinal é elevado, e, quando o sinal é forte, a tensão negativa de controle automático de volume é alta, de modo que o ganho do primeiro amplificador é baixo. O ganho do primeiro amplificador de sinal controla o volume do som no alto-falante.

Quase todos os receptores possuem um circuito semelhante àquele indicado na Figura 3. Em receptores de teleisão nào é chamado controle automático de volume. Ao invés, é chamado controle automático de ganho, uma vez que a ação controla a intensidade da imagem, assim como a intensidade do som.

Figura 3

Gostou do que viu? Compartilhe!